quarta-feira, 7 de outubro de 2015

Ψ "Os Anjos Gostam de Ópera!"

                                                                                                                    
     O arquétipo do Anjo
  
*Os arquétipos são entidades vivas, instintos psicológicos ou campos informativos de influência captados pela  percepção humana.

*Todos nós experimentamos intervenções sutis a cada dia que nos escapam facilmente ou tratamos como coincidência ...

*No entanto, a 'coincidência' pode ser uma divindade tentando contato.

*Anjo: Significa o mensageiro.  

*São entidades espirituais incumbidas de conduzir a palavra e a vontade divina entre os seres humanos. 

*São imortais, dotados de inteligência superior ao intelecto do homem, possuem vontade e personalidade própria.

*É possível, através de preces e rituais, estabelecer um canal de comunicação com estas criaturas e potencializar suas influências sobre nossas atividades cotidianas.
.
*Exemplos de encontros com seres não físicos que guiam, ensinam, fazem amizades e nos ajudam são inúmeros, fiquemos atentos!

*Jung fala de tal encontro em  Memórias, Sonhos, Reflexões. Relata experiências pessoais de uma figura aparentemente autônoma e auto-criada que vivia dentro de sua psique a quem ele chamou de 'PHILEMON'. (fig. abaixo)
*Jung estabelece diálogos com Philemon, e ficou impressionado ao perceber que esta figura interior ensinaria coisas que ele mesmo não sabia.

*Philemon ensinou a Jung a percepção crucial que se tornou a base do trabalho de toda a sua vida, que ele chama de 'a realidade da psique'

 
*Quando duas pessoas silenciam no meio de uma conversa, diz a lenda que passa um anjo.

*É possível que o Anjo esteja dizendo: Viva o momento. Somente este momento é a vida.

*O amigo imaginário da criança pode ser o anjo, quem vai saber ... "ela acreditava em anjos e porque acreditava eles existiam", já dizia Clarice.


*Nós nunca estamos sozinhos. Não faz sentido sequer pensar em nós mesmos separadamente do Anjo.

*Assim refere o salmo 23: "Pois tu estás comigo, todos os dias da minha vida." 

*Henry Corbin, um estudioso islâmico, filósofo, teólogo e místico refere que há uma "batalha para a Alma do Mundo".

*Assinala,  "(...) esta é, em última análise uma batalha do nosso espírito na busca por orientação celestial na forma de nosso Anjo.
Lutamos para reivindicar em última instância a união com nosso Anjo, a nossa verdadeira e perfeita natureza."

*Ele considera o anjo como a parte transcendente da nossa personalidade.


*Que nos conecta com algo maior do que a nossa linguagem racional e determinista.

*Quando você reverencia o Anjo em si, começa a tratar o outro como uma divindade.

*Ao ignorarmos  a dimensão sagrada da mundo, estamos contribuindo para a queda da humanidade e, literalmente, matando a nossa alma. 

*O Anjo da Temperança

*Simbologia: Um anjo passa água de um vaso ao outro, que significa a moderação e a sobriedade, e o líquido, a essência da vida.

*No Tarot: Simboliza saúde, a cura. Quando aparece , demonstra que seu poder interior está preparado para curá-lo e torná-lo mais forte.

*No zodíaco: representa o signo de aquário.


*Citando o Anjo feliz de Spinoza: “Certamente apenas uma feroz e triste superstição proíbe ter prazeres. 

Com efeito, o que é mais conveniente para aplacar a fome e a sede do que banir a melancolia? Esta a minha regra, esta a minha convicção.

*Nenhuma divindade, ninguém, a não ser um invejoso, pode ter prazer com a minha impotência e a minha dor, ninguém toma por virtude nossas lágrimas, nossos soluços, nosso temor e outros sinais de impotência interior.

*Ao contrário, quanto maior a alegria que nos afeta, quanto maior a perfeição à qual chegamos, mais é necessário participarmos da natureza divina.

 (...) “é próprio de um homem sábio, digo eu, mandar servir em sua refeição e para a reparação de suas forças alimentos e bebidas agradáveis ingeridos em quantidade moderada, como também perfumes, o adorno das plantas verdejantes, os adereços, a música, os jogos que exercitam o corpo, os espetáculos e outras coisas da mesma sorte, de que cada um pode fazer uso sem prejuízo para outrem.

 (...) A temperança é essa moderação pela qual permanecemos senhores de nossos prazeres, em vez de seus escravos (a tristeza do desregrado e a do incapaz de gozar, entre o fastio do glutão e o do anoréxico).


*É o desfrutar livre, e que, por isso, desfruta melhor ainda, pois desfruta também sua própria liberdade.


 (...) mais alegres, porque mais bem controlados; mais serenos, porque menos dependentes.


*É fácil? Claro que não. É possível? Nem sempre, sei do que estou falando, não é para qualquer um.

*Que infelicidade suportar seu corpo! Que felicidade desfrutá-lo e exercê-lo!"
Fonte: Corbin, "L'iniciação ismaelienne ou l'esoterisme et le verbe", em L'homme et son ange: iniciação et chevalerie spirituelle    
LEVY, Paul - A Batalha Para O Nosso Anjo.
Ψ Fatima Vieira - Psicóloga Clínica

2 comentários:

Guaraciaba Perides disse...

Beleza de postagem! obrigada!
Um abraço, Paz e Bem!

psique disse...

Olá Guaraciaba Perides, obrigado,
Um abraço Fatima Vieira