quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

cada um de nós é por enquanto a vida, isso nos baste!

foto: Sebastião Salgado

Na ilha por vezes habitada do que somos, há noites, manhãs e madrugadas em que não precisamos de morrer.
Então sabemos tudo do que foi e será.
O mundo aparece explicado definitivamente e entra em nós uma grande serenidade, e dizem-se as palavras que a significam.
Levantamos um punhado de terra e apertamo-la nas mãos.

Com doçura.
Aí se contém toda a verdade suportável: o contorno, vontade e os limites.
Podemos então dizer que somos livres, com a paz e o sorriso de quem se reconhece e viajou à roda do mundo infatigável, porque mordeu a alma até aos ossos dela.
Libertemos devagar a terra onde acontecem milagres como a água, a pedra e a raiz.

Cada um de nós é por enquanto a vida
Isso nos baste.
(
Na Ilha por Vezes Habitada - José Saramago)

JOSÉ SARAMAGO (16/11/1922 - 18/06/2010)

fotografia: Sebastião Salgado

A Racionalidade Irracional: Eu digo muitas vezes que o instinto serve melhor os animais do que a razão a nossa espécie.

- E o instinto serve melhor os animais porque é conservador, defende a vida.

- Se um animal come outro, come-o porque tem de comer, porque tem de viver; mas quando assistimos a cenas de lutas terríveis entre animais, o leão que persegue a gazela e que a morde e que a mata e que a devora, parece que o nosso coração sensível dirá «que coisa tão cruel».

- Não: quem se comporta com crueldade é o homem, não é o animal, aquilo não é crueldade; o animal não tortura, é o homem que tortura.

- Então o que eu critico é o comportamento do ser humano, um ser dotado de razão disciplinadora, organizadora, mantenedora da vida, que deveria sê-lo e que não o é; o que eu critico é a facilidade com que o ser humano se corrompe, com que se torna maligno.
(...)
- Aquela ideia que temos da esperança nas crianças, nos meninos e nas meninas pequenas, a ideia de que são seres aparentemente maravilhosos, de olhares puros, relativamente a essa ideia eu digo: pois sim, é tudo muito bonito, são de facto muito simpáticos, são adoráveis, mas deixemos que cresçam para sabermos quem realmente são. E quando crescem, sabemos que infelizmente muitas dessas inocentes crianças vão modificar-se. E por culpa de quê? É a sociedade a única responsável? Há questões de ordem hereditária? O que é que se passa dentro da cabeça das pessoas para serem uma coisa e passarem a ser outra?
- Uma sociedade que instituiu, como valores a perseguir, o lucro, o êxito, o triunfo sobre o outro e todas estas coisas, essa sociedade coloca as pessoas numa situação em que acabam por pensar (se é que o dizem e não se limitam a agir) que todos os meios são bons para se alcançar aquilo que se quer.
- Falamos muito ao longo destes últimos anos (e felizmente continuamos a falar) dos direitos humanos; simplesmente deixámos de falar de uma coisa muito simples, que são os deveres humanos, que são sempre deveres em relação aos outros, sobretudo.
"E é essa indiferença em relação ao outro, essa espécie de desprezo do outro, que eu me pergunto se tem algum sentido numa situação ou no quadro de existência de uma espécie que se diz racional. Isso, de facto, não posso entender, é uma das minhas grandes angústias."

( in 'Diálogos com José Saramago')

sábado, 25 de dezembro de 2010

O Homem Livre transcende a morte



O homem livre
Nada teme
Tudo enfrenta
altivo e imponente
porém,
o homem livre é só
Ele até ama
mas posto que tudo é passageiro
o homem livre
livra-se rápido de tudo
Só não se livra da sua solidão
Como tudo tem um preço
alto é o seu,
Ah! o tempo
sempre o tempo
levando tudo que vê pela frente
com seu ponteiro pontual
Até o homem livre
se vai com o tempo...
Deixando seus amores e dissabores,
Porém, ele não parte só
a liberdadade transcende a morte
e sua alma é livre!
( FatimaVieira/ florianópolis - 2000)/
imagem: João Azevedo

tão breve é a vida...


Vivo Só
Ou So (bre) Vivo
Penso que vivo
Vivo Só
Ou
So (bre) Vivo?
o que me encanta
é a BreV (idade) da Vida
Brev (Idade)
Vida
tão breve é a vida
A Idade da vida é a sua brevidade
ou a Eterna Idade
posto que sou I (mortal) ???

 (FatimaVieira/ florianópolis/ 2000)
fotografia: Eurico Sampaio

rápido como os sonhos passam os dias...

    (...)  Um verão intenso cheio de vida  recomeça,
   rápido como os sonhos passam os dias cintilantes...
   Estou levemente feliz, na ilha da magia.
  (FatimaVieira)
  imagem: E. Horta



segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

poesia só para quem dela precisa (O Carteiro e o Poeta)

imagem: Antonio Ramos
Uma Flor no asfalto
Que aflição!
parece dolorido
florir neste ambiente íngreme
vem o medo
a flor se encolhe
mas segue seu destino,
precisa desabrochar

Ela não tem escolha
É aqui neste local que deve florir...
Sabe lá o que é
não querer e ter que ficar,

Ela tem esperança na chuva
Será que a chuva a levará para o mar?
Mas não chove
Parece que aí é o seu lugar
Então coragem e deixe de reclamar...

Você já foi mais ousada,
Fina Flor do asfalto!

(Fatima Vieira)

... e o mundo sobrevive sem mim




Na multidão
não me sinto acolhida
O mundo está cheio
e sobrevive sem mim
O outro é tanto
que o eu torna-se
desnecessário
não me requisitam
se solicito não me ouvem
Histeria mundana
onde todos se esbarram e não se olham
invoco proteção como um colo de mãe
e recebo um empurrão
Se desabafo
mal me escutam
"é coisa da tua cabeça"
você está alienado,
pode ser loucura...
Eles continuam indiferentes
pregando as suas "verdades"
Instalo-me só num canto do mundo

Fico à espreita
Assim vou percebendo que a indiferença deles
é o abandono de todos,
é só angústia disfarçada
Estamos todos sós!
(FatimaVieira/ 2010)

sábado, 11 de dezembro de 2010

a caixa de pandora



O mundo foi crescendo... as pessoas se distanciando cada vez mais, a cada um a sua solidão, sonhos secretos, sorrisos esquecidos, lágrimas ocultas... Os melhores sentimentos confinados numa caixa escura. Falta coragem para revelar o conteúdo da alma. E esse mundo interior cada vez mais sufocado não cabe mais no mundo exterior. Ninguém tem mais tempo para ouvir ninguém... os compromissos são tantos... agenda lotada, sobra o supérfluo, mal se ouve o outro e o olhar não olha. Ao olhar no olho do outro me comprometo. Logo evito...
 - E Deus que tudo vê, pensou: "Neste mundo enorme que Eu criei, vejo que ainda existem pessoas corajosas, que querem abrir sua caixa escura, e pessoas generosas que demonstram interesse no conteúdo e que querem compartilhar seus SONHOS e ESPERANÇAS... mas fiz um universo imenso, eles são humanos e tem suas limitações."
- Então Deus concedeu ao homem a magia (como Ele, mas não tanto assim) de estar em qualquer lugar do planeta em segundos, estabelecendo assim contato imediato com todos aqueles dispostos a abrirem suas caixas... e fez-se a NET...

A LENDA: Segundo o mito, a história de Pandora surge na sequência de alguns logros perpetrados por Prometeu, que viriam a privilegiar a humanidade em detrimento dos deuses do Olimpo.
- Para se vingar, Zeus criou Pandora, a primeira mulher, e enviou-a a Epimeteu, que a deveria tomar como esposa.
Contrariamente ao que o irmão, Prometeu, lhe tinha aconselhado, Epimeteu aceitaria este presente vindo do Olimpo.
- Infelizmente, Pandora viria também com um objecto, no qual estavam contidos todos os males. Vítima da sua curiosidade, esta primeira mulher abriria o tal recipiente, libertando todos os males e deixando, curiosamente, um simples dom por libertar - a esperança.

- Vamos nos deter no que considero como sendo um dos pormenores mais importantes deste mito - a presença da "ESPERANÇA" no interior de um objecto que, alegadamente, só continha males.- Sobre a ESPERANÇA Nietzche refere em "HUMANO DEMASIADO HUMANO" que a mesma é um grande mal, que os deuses apenas permitiram que ela ficasse entre os humanos para os atormentar... engana o ser no seu futuro incerto, com expectativas que nunca irão se concretizar... segundo o filósofo alemão "Atinge-se a verdade através da descrença e do ceticismo, e não do desejo infantil de que algo aconteça de certa forma."
- Ainda que demasiadamente humana quando sem a justa medida, a magia desta lenda está no papel desempenhado pela ESPERANÇA, que parece necessária à sobrevivência da espécie, a última bondade não destruída por nosso egoísmo e ambição.
- Hoje os meios de comunicação em tempo recorde nos informam dos confrontos de nossa espécie na luta desenfreada pelo poder com suas escolhas políticas duvidosas e incertas, priviligiando grupos minoritários em detrimento dos interesses mais nobres da humanidade. Escondem em seus cofres mentiras, arrogâncias, corrupções, injustiças sociais, o descuido com o ambiente.
- A esperança reside na possibilidade de que simultaneamente outras caixas se abram e pessoas comprometidas com o bem estar da humanidade se manifestem, através de sua arte, seu trabalho, da denúncia, do seu cotidiano, da informação crítica.
- Para que brote esperança o egoísmo precisa ser desprezado... Enquanto eu estiver na minha caixa, cuidando da minha propriedade, da minha empregada, do meu funcionário, do meu latifúndio, do meu bichinho de estimação, do meu... O planeta e milhares de seres vivos estão sendo depredados por um grupinho sem escrúpulos, que torcem para que a maioria cuide de sua caixinha, de sua propriedade...
- Pois é, é desta esperança que falo... verdadeiramente humana e passível de ser vivida e cultivada.
 

(Fatima Vieira - Psicóloga Clínica)