quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

sem amor não sobrevivemos...

1. Sem amor não poderíamos sobreviver. Os seres humanos são criaturas sociais e sentir-se valorizado é a própria base da vida.
2. Quanto mais respeito sentimos por uma pessoa comum, mais dela nos aproximamos e mais nos predispomos a seguir seus conselhos. Do mesmo modo, quanto mais crédito você der a seu mestre, maior progresso terá nas suas práticas.
3. Se está acima de sua capacidade dar o melhor de si, a situação é uma. Mas se está a seu alcance, você deve fazê-lo.
4. A única coisa que importa é colocar em prática, com sinceridade e seriedade, aquilo em que se acredita.
5. Quer se creia, quer não em uma religião, quer se creia, quer não na reencarnação, não há ninguém que deixe de apreciar a cordialidade e a compaixão.
6. Se nos examinamos a cada dia com atenção e vigilância, interrogando nossos pensamentos, nossas motivações e suas manifestações sobre nosso comportamento exterior, poderá emergir em nós uma real oportunidade de mudança e de aperfeiçoamento pessoal.
7. Minha ignorância, meus apegos, meu desejo, meus ódios! Eis aí, na verdade, meus inimigos.
8. A finalidade de todas as grandes religiões não é se manifestar exteriormente, construindo grandes templos, mas criar templos de bondade e compaixão no interior, em nosso coração.
9. Quando somos capazes de reconhecer e perdoar os atos de ignorância cometidos no passado, nós nos fortificamos e nos colocamos à altura de resolver de maneira construtiva os problemas do presente.
10. Um dos pontos mais relevantes nos relacionamentos humanos é a gentileza. Ela, o am, esse sentimento que é a essência da fraternidade, levam-nos à paz interior e a compaixão.
11. Se nosso espírito não se mantém estável e calmo mesmo quando nossa condição física é satisfatória, não conseguimos tirar dele nenhum prazer. Portanto, o segredo de uma vida desabrochada, agora e no futuro, consiste em desenvolver um espírito feliz.
12. É indispensável demonstrar tolerância e paciência no amor a seus inimigos. Esse é o fundamento da vida espiritual, graças ao qual vivemos para o amor do próximo e para o bem da humanidade.
13. A crença religiosa não é uma garantia de integridade moral. Olhando para a história, vemos que, entre os grandes provocadores – aqueles que distribuíram fartamente violência, brutalidade e destruição –, muitos há que professaram uma fé religiosa, às vezes escancaradamente. A religião pode nos ajudar a estabelecer princípios éticos. Contudo é possível falar de ética e moralidade sem recorrer à religião.
14. Cada uma das ações que projetamos e realizamos e o modo pelo qual decidimos pautar nossa vida – como decidimos vivê-la no quadro das limitações impostas pelas circunstâncias – podem ser percebidos como nossa resposta à grande questão diante da qual todos estamos: “Como posso ser feliz?”
15. Em nossa grande busca de amor, somos mantidos pela esperança. Sabemos, muito embora não o queiramos admitir, que não pode haver nenhuma garantia de uma vida melhor e mais feliz do que a que levamos no dia de hoje.
16. O importante é que as pessoas façam um esforço sincero para desenvolver sua capacidade em matéria de compaixão. O grau que elas poderão realmente alcançar depende de numerosos fatores. Se realmente fazem tudo o que lhes é possível para ser mais cordiais e tornar o mundo um lugar melhor, então, a cada tarde, poderão dizer: “Pelo menos fiz o melhor que pude...”
17. Não podemos vencer a cólera e o ódio simplesmente suprimindo-os. Devemos cultivar empenhadamente seus antídotos: a paciência e a tolerância.
18. A linha divisória entre um desejo – ou um ato – negativo e um positivo não está no fato de ele lhe oferecer imediatamente a sensação de satisfação, mas, sim, no fato de ao final produzir resultados positivos ou negativos.
19. A cobiça está ligada ao fato de que, embora o motivo subjacente seja a busca da satisfação, quer a ironia que, depois de conseguido o objeto de seus desejos, você nunca se sinta satisfeito. O verdadeiro antídoto contra a cobiça é o contentamento. Se você tem disso um senso desenvolvido, pouco importa que você consiga ou não o objeto. Nos dois casos, você estará igualmente satisfeito.
20. Por via do esforço contínuo, poderemos superar todas as formas de condicionamento negativo e provocar mudanças políticas em nossa vida. Mas é ainda necessário percebermos que a verdadeira mudança não ocorre no intervalo de uma noite.

terça-feira, 23 de dezembro de 2008

Tocando em frente

Ando devagar porque já tive pressa
E levo esse sorriso porque já chorei demais
Hoje me sinto mais forte, mais feliz quem sabe
Só levo a certeza de que muito pouco eu sei
Ou nada sei
Conhecer as manhas e as manhãs,
O sabor das massas e das maçãs,
É preciso amor pra poder pulsar,
É preciso paz pra poder seguir,
...É preciso a chuva para florir
Penso que cumprir a vida seja simplesmente
Compreender a marcha e ir tocando em frente
Como um velho boiadeiro levando a boiada
Eu vou tocando dias pela longa estrada...
(Almir Sater/ Renato Teixeira)

sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

Chora Santa Catarina



Particularmente à época das chuvas mais intensas, quando então todos os problemas de risco se agudizam, o noticiário jornalístico é pródigo no anúncio de tragédias familiares e mortes por soterramentos, situações sempre vinculadas a escorregamentos em encostas de alta declividade ocupadas habitacionalmente nas zonas periféricas de nossas grandes e médias cidades.
Rio, Belo Horizonte, Ouro Preto, São Paulo, Salvador, Recife, Campos do Jordão, Santos, Petrópolis, Ubatuba (como essas últimas, também todas as outras cidades do litoral sudeste brasileiro que tangem os flancos da Serra do Mar e outras regiões serranas tropicais) compõem parte do grande elenco de municípios brasileiros onde esses trágicos eventos são francamente recorrentes.

Para uma mais acurada compreensão do problema e para o correto equacionamento de sua solução, é indispensável considerar separadamente dois aspectos fundamentais, mas bem diversos, dessa questão; o fator técnico e o fator político-social-econômico.
 Do ponto de vista estritamente técnico, e tendo em conta que as expansões urbanas periféricas comumente atingem relevos topograficamente mais acidentados, e, portanto, mais instáveis geotecnicamente, vale afirmar categoricamente que não há uma questão técnica sequer envolvida no problema que não já tenha sido estudada e perfeitamente equacionada pela Engenharia Geotécnica e pela Geologia de Engenharia brasileiras, com suas soluções resolvidas e disponibilizadas.
Cartografia Geotécnica de Risco (indicando as áreas que não podem ser ocupadas em hipótese alguma e as áreas passíveis de ocupação uma vez obedecido um elenco de restrições e providências), tipologia de obras adequadas a contenção de taludes e encostas, tipologia de projetos de ocupação urbana adequados a áreas topograficamente mais acidentadas, mapeamento de situações críticas, metodologia e tecnologia de Planos de Defesa Civil, e tudo o mais que se refere à questão, são parte das ferramentas e informações que o meio técnico brasileiro abundantemente já produziu e disponibilizou à sociedade para o enfrentamento do problema, em sua componente técnica preventiva e corretiva.
 O segundo aspecto a ser considerado, e de fundamental importância, refere-se às componentes sociais, políticas e econômicas do problema. A enorme explosão demográfica urbana que a partir da década de 50 atingiu as metrópoles e as grandes e médias cidades brasileiras se deu em uma velocidade tal que as despreparadas, e muitas vezes descompromissadas, administrações públicas, federais, estaduais e municipais - não foram capazes de acompanhá-las em sua função de planejamento urbano e provimento de infra-estrutura de serviços públicos.
 Por outro lado, a população mais pobre, compelida a buscar soluções de moradia compatíveis com seus miseráveis orçamentos, tem sido compulsoriamente obrigada a decidir-se jogando com seis variáveis, isoladas ou concomitantes: grandes distâncias do centro urbano, áreas de periculosidade, áreas de insalubridade, irregularidade imobiliária, desconforto ambiental, precariedade técnica da construção.
 Somem-se a isso loteadores inescrupulosos, total ausência da administração pública, inexistência de infra-estrutura urbana, falta de sistemas de drenagem e contenção e outros tipos de cuidados técnicos.
No jargão popular, “cutuca-se a onça com vara curta” ou “junta-se a fome com a vontade de comer”. Outra faceta deste mesmo aspecto político-social-econômico. Estamos, nas metrópoles e grandes cidades brasileiras, falando de milhões de pessoas.  Vejamos como exemplo a metrópole paulista, que em suas frentes de expansão urbana atinge regiões progressivamente mais acidentadas topograficamente e com solos menos resistentes e mais susceptíveis a fenômenos de erosão e escorregamentos. De 1991 a 2000 a população na cidade de São Paulo cresceu em média 0,9% ao ano.
Já nas fronteiras de expansão urbana da metrópole esse crescimento foi de 6,3%. Os centros de Guarulhos, Osasco e ABC tiveram um decréscimo populacional de 750 mil pessoas. Já as áreas periféricas estruturadas, um acréscimo de 590 mil.
 E as áreas mais periféricas, nas fronteiras de expansão, um acréscimo de 2,1 milhões de pessoas. Considerando toda a RMSP-Região Metropolitana de São Paulo, em 1991 as áreas de fronteiras de expansão abrigavam 19% da população total; em 2000 esse percentual saltou para 33%; hoje aproximamo-nos dos 50%.
Ou seja, em que pese a necessidade dos serviços públicos melhorarem em muito sua eficiência técnica e logística no tratamento do problema “áreas de risco”, não há como se pretender resolver esta questão somente através de uma abordagem técnica. Em sã consciência, não há administração pública, por mais eficiente e conscienciosa que seja, que vá conseguir resolver o problema dentro da atual cultura de “correr atrás do prejuízo”.
 A questão remete pesadamente para a necessidade de soluções políticas corajosas que considerem o aspecto social-econômico do problema, o que leva a considerar necessariamente programas habitacionais mais ousados e resolutivos. Nesse aspecto, da experiência em trabalhos na periferia da RMSP, testemunhando a enorme extensão da prática da auto-construção, método construtivo espontaneamente adotado pela própria população de baixa renda e que maior sucesso alcançou no atendimento de suas carências habitacionais, mesmo sem assistência técnica alguma ou qualquer outro tipo de apoio, arriscaria afirmar que um programa habitacional que pretenda beneficiar milhões deva se apoiar em três diretrizes combinadas: desapropriação (se necessário) de grandes vazios urbanos ainda existentes nas regiões suburbanas e periféricas, implantação (nesses vazios) de loteamentos com infra-estrutura urbana executada, venda subsidiada dos lotes aí urbanizados, com assistência técnica para a auto-construção e financiamento do material de construção.
 Em suma, um programa habitacional que combine o lote urbanizado e a auto-construção assistida. Com certeza, um programa desse tipo, diferentemente dos programas mais clássicos, seria capaz de atender com habitações dignas e fora de áreas de risco, com razoável rapidez, a centenas de milhares de famílias de baixa renda.
Por certo, ao lado de um esforço imediato para aperfeiçoar e agilizar os trabalhos preventivos e corretivos junto às áreas de risco já definidas, essa seria a única abordagem que, com segurança, colaboraria efetivamente para evitar a cruel repetição, e seu inexorável agravamento, das mortes por soterramento.
 Como está ao alcance das administrações públicas implementar programas como o sugerido, é lícito se concluir que, caso eles não venham a ser implementados, as novas mortes daí advindas não poderão ser debitadas, como comumente e comodamente o vêm sendo, a fatalidades do destino, a desatinos da Natureza, ou à vontade de Deus. Não há como tergiversar: serão novos assassinatos.
Álvaro Rodrigues dos Santos, - Ex-Diretor de Planejamento e Gestão do IPT e Ex-Diretor da Divisão de Geologia - Foi Diretor Geral do DCET - Deptº de C&T da Secretaria de C&T do Est. de São Paulo - Ex-Secretário de Desenvolvimento Econômico e Social de Mogi das Cruzes - Autor dos livros “Geologia de Engenharia: Conceitos, Método e Prática”, “A Grande Barreira da Serra do Mar” e “Cubatão” - Consultor em Geologia de Engenharia, Geotecnia e Meio Ambiente - É criador da técnica Cal-Jet de proteção de solos contra a erosão.

domingo, 23 de novembro de 2008

Cansado de ficar em casa observando a chuva?

As horas passam marcando os momentos
Que se vão, que formam um dia monótono
Você desperdiça e perde as horas
De uma maneira descontrolada
Perambulando num pedaço de terra
Na sua cidade natal
Esperando alguém ou algo
Que venha mostrar-lhe o caminho
Cansado de deitar-se na luz do sol
De ficar em casa observando a chuva
Você é jovem e a vida é longa
Há tempo de matar o hoje
E depois, um dia você descobrirá
Que dez anos ficaram para trás
Ninguém te disse quando correr
Você perdeu o tiro de partida
E você corre e corre para alcançar o sol
Mas ele está indo embora no horizonte
E girando ao redor da Terra para se levantar
Atrás de você outra vez
O sol permanece, relativamente, o mesmo
Mas você está mais velho
Com o fôlego mais curto
E a cada dia mais próximo da morte
Cada ano está ficando mais curto
Nunca você parece ter tempo.
Planos que tampouco deram em nada
Ou em meia página de linhas rabiscadas
Insistindo num desespero quieto
É a maneira inglesa
O tempo se foi, a canção terminou
Pensei que tivesse algo mais a dizer
Meu lar, meu lar denovo,
eu gosto de estar aqui quando posso
Quando eu chego em casa com frio e cansado,
É bom esquentar meus ossos do lado do fogo
Muito longe atravessando o campo
o badalar do sino de ferro
Chamam os fiéis para os seus pés
Para escutar as macias palavras
mágicas faladas.
(Time - Pink Floyd)

sábado, 22 de novembro de 2008

Te Amo Secretamente...

Não te amo como se fosse rosa de sal,
topázio ou flecha 
de cravos que
propaga o fogo:
te amo secretamente
entre a sombra e a alma...
Te amo como a planta que não floresce e leva
dentro de si, oculta,
a luz daquelas flores,e graças a teu amor vive escuro em meu corpo o apertado aroma que ascender da terra...
Te amo sem saber como, nem quando, nem onde,
te amo diretamente sem problemas nem orgulho:
Assim te amo porque não sei amar de outra maneira
Se não assim deste modo em que não sou nem és
tão perto que a tua mão sobre meu peito é minha
tão perto que se fecham teus olhos com meu sonho.
(Pablo Neruda)

Então é Natal... Eis o Menino!

Então é Natal!
A festa cristã
Do velho e do novo,
Do amor como um todo!
E então é Natal
Pro enfermo e pro são
 Pro rico e pro pobre
Num só coração!
Então, bom Natal
Pro branco e pro negro,
Amarelo e vermelho,
Pra paz, afinal!
Então, bom Natal!
E um Ano Novo também!
Que seja feliz quem
Souber o que é o Bem...












                                      

domingo, 16 de novembro de 2008

Ψ TOC... TOC... TOC... Desculpe o Transtorno!!!

- Segundo AJURIAGUERRA, "o conceito de OBSESSÃO nos remete a idéia de perseguição, enquanto o conceito de COMPULSÃO traz a idéia de constrangimento. Um e outro não podem ser compreendidos, a não ser em relação a um EGO que se sente limitado na livre utilização da expressão do seu pensamento e de suas representações ou de seus atos. Perda da capacidade de escolha, parasitismo parcial, automatização limitada ou contradição permanente, uma estranha limitação que só se resolve na e pela atividade doentia em si mesma, LUTA QUE NÃO ENCONTRA SOLUÇÃO, a não ser no seu próprio desenvolvimento, alívio transitório mas inútil, porque seu destino é a REPETIÇÃO".   (Manual de Psiquiatria Infantil, pag. 624).


- Há casos em que se pode observar diretamente a transição de uma FOBIA para uma OBSESSÃO. De início evitam-se certas situações, depois, exerce-se atenção constante de forma a garantir o necessário impedimento, mais tarde esta atenção assume caráter obsessivo. As situações são as mais variadas: compulsões a lavar-se, medo de sujar-se, rituais sociais, cerimoniais ligados ao sono, medo de adormecer, rituais concernentes à maneira de andar, inibições da marcha...
- Certo paciente tinha que arrumar a todo momento os objetos em cima de uma estante para impedir que caíssem na cabeça de alguém, entretanto, distribuía-lhes de modo a oportunizar a queda. Para proteger os entes queridos contra os seus impulsos hostis, há muitos neuróticos obsessivos, que os defendem contra riscos imaginários de modo tão abnegado que chegam a atormentá-los, de fato, exprimindo a sua hostilidade "sem querer".

- Na verdade, uma ritualização compulsiva é inerente ao desenvolvimento normal da criança. Durante as atividades lúdicas, a criança, vive ao mesmo tempo em prazer e desprazer; prazer pelo que se repete e desprazer pelo desaparecimento do objeto. É o jogo do esconde esconde, no mundo mágico da primeira fase do desenvolvimento, que se transforma mais tarde , num jogo sem fim de construção e destruição, onde não se sabe se o maior prazer está em construir o castelo ou dar um soco e destruir tudo.

- A criança cria seus próprios rituais, seja para adormecer, seja na arrumação da sua roupa, higiene, alimentação, na imposição de certa atitude aos pais, ou na escolha do animal que vai lhe servir de companhia durante o sono. Pequenas manias saudáveis, não fosse a necessidade da mãe de não negar nada ao filho, aí corre-se o risco de torná-las permanentes.
- É no decorrer da puberdade que a síndrome obsessiva apresenta as características do comportamento adulto. Aqui vemos as OBSESSÕES IDEATIVAS, a "loucura da dúvida" que se caracteriza pelas ruminações com temas metafísicos (vida e morte, bem e mal, existência ou não de Deus, o tempo que passa); as OBSESSÕES FÓBICAS, fobia à objetos, lugares, claustrofobia, ideações sobre a morte, doenças.

- E as OBSESSÕES IMPULSIVAS, como o medo de cometer um desatino, de pronunciar palavras profanas, roubo ou agressões. Tudo isto acompanhado de uma luta ansiosa para evitar que o ato se concretize. Exemplo típico é a doença de Gilles de la Turette ou "doença dos tiques", que se acompanha de uma atividade verbal compulsiva.

- CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS PARA O TOC: De acordo com o Código Internacional de Doenças o Transtorno é caracterizado essencialmente por idéias obsessivas ou por comportamentos compulsivos recorrentes.
 - As idéias obsessivas são pensamentos, representações ou impulsos, que se intrometem na consciência do sujeito de modo repetitivo e estereotipado. O sujeito reconhece, que se trata de seus próprios pensamentos, mas estranhos à sua vontade e em geral desprazeirosos e faz esforços frustrados na tentativa de controlá-los. Os comportamentos e os rituais compulsivos são atividades estereotipadas repetitivas. O comportamento compulsivo tem por finalidade prevenir algum evento objetivamente improvável, freqüentemente implicando dano ao sujeito ou causado por ele, que ele teme que possa ocorrer. O transtorno se acompanha quase sempre de ansiedade. Esta ansiedade se agrava quando o sujeito tenta resistir à sua atividade compulsiva.
- Se os pensamentos aflitivos e recorrentes estão relacionados exclusivamente a temores de vir a ter, ou à idéia de já ter uma doença grave, com base na interpretação errônea de sintomas somáticos, então se aplica o diagnóstico de Hipocondria, ao invés de Transtorno Obsessivo-Compulsivo. Entretanto, se a preocupação acerca de ter uma doença se acompanha de rituais, como abluções excessivas ou comportamento de verificação, relacionados a preocupações com uma doença ou sua transmissão a outras pessoas, então um diagnóstico adicional de Transtorno Obsessivo-Compulsivo pode ser indicado.
- Se a principal preocupação é com contrair uma doença (não com ter uma doença) e não estão envolvidos quaisquer rituais, então uma Fobia Específica de doenças pode ser o diagnóstico mais apropriado.
- Um diagnóstico de Transtorno Obsessivo-Compulsivo deve ser considerado apenas se houver um consumo de tempo considerável ou se decorrer daí um prejuízo ou sofrimento clinicamente significativos.
Obsessões ou compulsões: Obsessões, definidas por (1) pensamentos, impulsos ou imagens recorrentes e persistentes que, em algum momento durante a perturbação, são experimentados como intrusivos e inadequados e causam acentuada ansiedade ou sofrimento,
(2) os pensamentos, impulsos ou imagens não são meras preocupações excessivas com problemas da vida real; (3) a pessoa tenta ignorar ou suprimir tais pensamentos, impulsos ou imagens, ou neutralizá-los com algum outro pensamento ou ação; (4) a pessoa reconhece que os pensamentos, impulsos ou imagens obsessivas são produto de sua própria mente (não impostos a partir de fora, como na inserção de pensamentos); Compulsões, definidas por (1) e (2), comportamentos repetitivos (por ex., lavar as mãos, organizar, verificar) ou atos mentais (por ex., orar, contar ou repetir palavras em silêncio) que a pessoa se sente compelida a executar em resposta a uma obsessão ou de acordo com regras que devem ser rigidamente aplicadas; (2) os comportamentos ou atos mentais visam a prevenir ou reduzir o sofrimento ou evitar algum evento ou situação temida; entretanto, esses comportamentos não têm uma conexão realista com o que visam a neutralizar ou evitar ou são claramente excessivos.
. Em algum ponto durante o curso do transtorno, o indivíduo reconheceu que as obsessões ou compulsões são excessivas ou irracionais.
- As obsessões ou compulsões causam acentuado sofrimento, consomem tempo (tomam mais de 1 hora por dia) ou interferem significativamente na rotina, funcionamento ocupacional (ou acadêmico), atividades ou relacionamentos sociais do indivíduo.
- Transtorno Dismórfico Corporal; preocupação com drogas na presença de um Transtorno por uso de substâncias; preocupação com ter uma doença grave na presença de Hipocondria; preocupação com anseios ou fantasias sexuais na presença de uma Parafilia; ruminações de culpa na presença de um Transtorno Depressivo Maior;  A perturbação não se deve aos efeitos fisiológicos diretos de uma substância (por ex., droga de abuso, medicamento) ou de uma condição médica geral.
TRATAMENTO: Existe Tratamento eficaz para o TOC?
O diagnóstico é feito por avaliação clínica, não existem exames capazes de detectar a doença. O transtorno obsessivo-compulsivo não tem cura, mas pode ser controlado. Conforme o caso, pode ser necessário manter por toda a vida o tratamento com Psicofármacos e Psicoterapia.
A TERAPIA COMPORTAMENTAL COGNITIVA é considerada um dos tratamentos de primeira linha, juntamente com os medicamentos. Os Grupos de Auto Ajuda também tem sido uma alternativa de tratamento.
A Terapia Comportamental baseia-se na constatação de que, se o paciente desafia seus medos, por exemplo, expondo-se às situações que evita ou tocando nos objetos que considera contaminados (exposição) e, ao mesmo tempo, deixa de realizar os rituais de descontaminação ou verificações (prevenção da resposta), embora num primeiro momento a aflição aumente, em pouco tempo ela tende a diminuir até desaparecer por completo espontaneamente (habituação). Repetindo tais exercícios os medos de tocar em coisas sujas ou contaminadas, de fazer verificações ou a necessidade de realizar rituais acabam desaparecendo por completo.
Eu suma: Exposição + Prevenção da Resposta; Habituação; Desaparecimento dos sintomas.
BUSCAR AJUDA ESPECIALIZADA EVITA SOFRIMENTO DESNECESSÁRIO.
Referência Bibliográfica:
AJURIAGUERRA, J - Manual de Psiquiatria Infantil
FENICHEL,Otto - Teoria Psicanalítica das Neuroses
DSM-III-R, Diagnostical and Manual of Mental Disorders, 3 ed., revisada, American Psychiatric Association, Washington, 1987. OMS (Organização Mundial de Saúde)/ CID 10 - Código Internacional de Doenças
( Fatima Vieira - Psicóloga Clínica)

O universo feminino na visão de ALMODÓVAR


PEDRO ALMODÓVAR (24/09/1951), Diretor de cinema espanhol. Iniciou sua atividade artística na área do teatro e do movimento vanguardista. Transformado em estandarte da Movida Madrileña (movimento de renovação cultural lançado em Madri após a morte do ditador Francisco Franco), de 1974 a 1978 realizou filmes em Super 8, seu primeiro longa-metragem. Sua carreira começou realmente com Pepi, Luci, Bom/1979-1980, ponto de partida definitivo do estilo Almodóvar, tanto na forma como no conteúdo. Nesse filme já aparecem todos os elementos característicos dos trabalhos seguintes: Labirinto de Paixões/1982; Maus Hábitos/1983; Que Eu Fiz para Merecer Isto?/1984; Matador, 1986; A Lei do Desejo, 1986. Os irmãos, a mulher, as donas-de-casa, as relações conjugais turbulentas, a moça supermoderna, os anúncios, a música, as fotos, as janelas, os movimentos de câmara extravagantes, a paisagem urbana (Madri), os ambientes kitsch, a amizade entre mulheres, a homossexualidade, a transexualidade, a depravação, o absurdo ao estilo de Luis Buñuel. Em Mulheres à Beira de um Ataque de Nervos/1988, rompeu um pouco com seu cinema anterior, mas de um modo coerente: abandonou o frívolo e o miserável e passou para o sofisticado e elegante, sem deixar de ser ele próprio, como continuou a demonstrar em filmes como Ata-me /1989; De Salto Alto/1991, Kika/ 1993; A Flor do Meu Segredo/1995 ou Carne Trêmula/1997. Almodóvar transformou-se no mais popular cineasta espanhol e com maior projeção internacional, ainda mais depois de Tudo sobre Minha Mãe/1999, que lhe deu o Oscar de melhor filme estrangeiro.

Raimunda (Penélope Cruz) e sua irmã Soledad (Lola Dueñas) visitam o túmulo de sua falecida mãe (Carmen Maura) para limpá-lo e encerá-lo, conforme dita a tradição do lugarejo onde elas cresceram. Elas também visitam uma tia senil que conversa com a mãe das moças como se ela ainda estivesse viva, e é olhada de perto por uma prestativa amiga da família, Agustina (Blanca Portillo).
A desgraça vem em dose dupla quando a tia vem a falecer e a filha adolescente de Raimunda (Yohana Cobo) passa a ser molestada pelo próprio pai. O fantasma da matriarca da família passa a aparecer com maior freqüência para Soledad, desencadeando eventos que afetam drasticamente as rotinas de todas as mulheres que a conheceram em vida. Tenso, engraçado, revoltante e tocante, o filme é puro Almodóvar. Ensaia uma retorno às cores berrantes do início da carreira do diretor, mas somente timidamente, e sempre em passagens abrilhantadas por uma radiante Penélope Cruz.
O desprezo pelos personagens masculinos é tão gritante que, no final do filme, a platéia fica a se indagar se o marido de Soledad também não entrou na dança protagonizada pelas demais mulheres da família. Elas, por sua vez, voltam a encarnar a força motora por trás dos acontecimentos enquanto representam o papel de pivôs de tragédias e mudanças, uma constante na filmografia de Almodóvar.
Há mensagens dentro da trama, com certeza. Sendo uma história centrada em pessoas, é sempre possível tirar algo de proveito do filme relacionado à natureza humana. A idéia que mais forte é a de que, não importa quão absurda seja a atitude de alguém, não importa o grau de revolta com o qual nos deparamos nestas situações, sempre há um motivo para tudo. NINGUÉM ABANDONA ALGUÉM SEM MOTIVO, NINGÚEM SAI DO SEU COMPORTAMENTO NATURAL SEM UMA BOA RAZÃO, NINGUÉM RENEGA ALGUÉM IMPORTANTE COMPLETAMENTE SEM QUE ALGO MUITO IMPORTANTE TENHA ACONTECIDO.

Volver é o nome da canção que Penélope Cruz canta a certa altura do filme. Na verdade, quando ela o faz, com muita graça, a história já anda pelo fim. E fala disso, entre outras coisas, da experiência da volta. Só que o que acontece nessa mais uma vez inspirada história passional almodovariana não deixa de ser surpreendente. Ou seja, volta quem se supunha que não pudesse voltar.
Não existe nenhum enigma nisso, a não ser que se pense que pessoas que já morreram se tornam ausentes também no imaginário dos que vivem. Quer dizer, que não vivam como lembranças, ou como, por assim dizer, acidentes de percurso simbólico. Um pai muito importante, uma mãe marcante não desaparecem simplesmente porque deixaram de ter existência física. Estão presentes e determinam até certo ponto a vida das pessoas. É como se costuma dizer: muitas vezes os mortos governam os vivos.

sábado, 15 de novembro de 2008

DOR quando se sente em demasia...

Esta angústia que trago há séculos em mim,
Transbordou da vasilha,
Em lágrimas, em grandes imaginações,
Em sonhos em estilo de pesadelo sem terror,
Em grandes emoções súbitas sem sentido nenhum.
Transbordou.
Mal sei como conduzir-me na vida
Com este mal-estar a fazer-me pregas na alma!
Se ao menos endoidecesse deveras!
Mas não: é este estar entre,
Este quase, Este poder ser que...,
Isto.
Um internado num manicômio é,
ao menos, alguém,
Eu sou um internado num manicômio sem manicômio. Estou doido a frio. Estou lúcido e louco,
Estou alheio a tudo e igual a todos:
Estou dormindo desperto com sonhos que são loucura
Porque não são sonhos.
Estou assim...
Pobre velha casa da minha infância perdida!
Quem te diria que eu me desacolhesse tanto!
Que é do teu menino? Está maluco.
Que é de quem dormia sossegado sob o teu teto provinciano?

Está maluco.
Quem de quem fui? Está maluco.
Hoje é quem eu sou.
Se ao menos eu tivesse uma religião qualquer!
Por exemplo, por aquele manipanso
Que havia em casa, lá nessa, trazido de África.
Era feiíssimo, era grotesco,
Mas havia nele a divindade de tudo em que se crê.
Se eu pudesse crer num manipanso qualquer
— Júpiter, Jeová,
a Humanidade
— Qualquer serviria,
Pois o que é tudo senão o que pensamos de tudo?
Estala, coração de vidro pintado!

(Baudelaire - Esta velha angústia)

... e o mundo será um só

Imagine que não há nenhum paraíso
É fácil se você tentar
Nenhum inferno debaixo de nós
Acima de nós,

só o céu
Imagine todas as pessoas
vivendo para o hoje...
imagine que não há países
não é difícil fazê-lo
Nenhum motivo para matar ou morrer
E nenhuma religião,
também imagine todas as pessoas
vivendo a vida em paz...
Tu podes dizer que sou um sonhador
mas eu não sou o único
Espero que um dia te juntes a nós
E o mundo será um só
Imagine nenhuma posse
Que maravilha se você conseguir
Nenhuma necessidade de ganância ou fome
Em uma fraternidade de homens
Imagine todas as pessoas
Compartilhando todo o mundo...
Podes dizer que sou um sonhador
Mas eu não sou o único
Espero que um dia
te juntes a nós












e o mundo será um só.
( Lennon - 1940 - 1980)

 

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

Do Casamento e dos Filhos - em Assim Falou Zaratustra - Nietzsche

"Tenho uma pergunta somente para ti, meu irmão; e a lanço como uma sonda na tua alma, para que eu aprenda quão profunda ela é. És jovem e desejas filhos e casamento. Pergunto-te: és um ser com o direito de desejar um filho?

És o vitorioso, o vencedor de ti mesmo, o dominador dos sentidos, o senhor das tuas virtudes? Ou não será que, em teu desejo falam o animal e a necessidade? Ou a solidão? Ou a discórdia consigo mesmo?

Quero que a tua vitória e a tua liberdade anseiem por um filho. Monumentos vivos, deves construir, à tua vitória e libertação.

Deves construí-lo acima e para além de ti mesmo. Mas, antes, precisas tu mesmo ser construído. Não somente para a frente, deves propagar-te, mas para o alto! Que isso te ajude o jardim do casamento!

Casamento: assim chamo a vontade a dois de criar um ser que seja mais do que aqueles que o criaram. Respeito mútuo, chamo ao casamento... Aquilo porém, que os supérfluos chamam de casamento - como hei de chamar-lhe ?

Ah! essa pobreza de alma a dois! e dizem que que seus casamentos foram decididos no céu! Não gosto deste céu dos supérfluos.

(...) muitas breves tolices - a isso chamai amor. E vosso casamento acaba com as muitas breves tolices numa única e longa estupidez."

sábado, 8 de novembro de 2008

porque rir é bom, mas rir de tudo é desespero....

Eu te desejo
Não parar tão cedo

Pois toda idade tem
Prazer e medo...
E com os que erram
Feio e bastante
Que você consiga
Ser tolerante...
Quando você ficar triste
Que seja por um dia
E não o ano inteiro
E que você descubra
QUE RIR É BOM MAS
QUE RIR DE TUDO É DESESPERO
Desejo!
QUE VOCÊ TENHA A QUEM AMAR
E quando estiver bem cansado
Ainda, exista amor
Prá recomeçar
Prá recomeçar...
Eu te desejo muitos amigos
Mas que em um
Você possa confiar
E QUE TENHA ATÉ
INIMIGOS
PRÁ NÃO DEIXAR DE DUVIDAR...
Eu desejo!
Que você ganhe dinheiro
Pois é preciso
Viver também
E que você diga a ele
elo menos uma vez
Quem é mesmo
O dono de quem ...
Eu desejo!
Que você tenha a quem amar.
(Composição Frejat/ Maurício Barros)

Estados Unidos e o novo Presidente

"... Esse é nosso momento de devolver as pessoas ao trabalho e abrir portas de oportunidade para nossas crianças; de restaurar a prosperidade e promover a paz; de retomar o sonho americano e reafirmar a verdade fundamental de que, entre tantos, nós somos um; que, enquanto respirarmos, nós temos esperança. E onde estamos vai de encontro ao cinismo, às dúvidas e àqueles que dizem que não podemos. Nós responderemos com o brado atemporal que resume o espírito de um povo: Sim, nós podemos.
Obrigado. Deus os abençoe. E Deus abençoe os Estados Unidos da América."
A presidente do Conselho Mundial da Paz, Socorro Gomes, analisa a eleição do candidato do Partido Democrata, Barack Obama, como presidente dos Estados Unidos.
Socorro destaca a "esmagadora vitória de Obama" como positiva, "na medida em que representa a derrota" da política belicista da administração Bush "e mexe com a subjetividade de todos os que a ela se opuseram".
"Pode-se dizer o mesmo relativamente à eleição de um negro pela primeira vez na história dos EUA, algo muito significativo no quadro da sociedade estadunidense", afirma.

Leia abaixo a íntegra da nota:

"Minha primeira reação ao resultado das eleições nos Estados Unidos é de alívio pelo fim da "era Bush". O povo brasileiro, apesar da sua proverbial cordialidade, sentencia – "Já vai tarde" – quando pessoas indesejáveis vão embora. Creio que é este o sentimento que percorre a humanidade neste momento.
Os oito anos durante os quais George W. Bush ocupou a Casa Branca foram uma espécie de noite dos tempos que déixaram em todos os amantes da paz a impressão de estarem vivendo um horror infinito.
Não alimento a mínima ilusão de que o novo presidente irá promover mudanças estruturais no sistema de poder dos Estados Unidos. Trata-se de um sistema sedimentado e mesmo petrificado.
O poder nacional nos Estados Unidos é o poder do capital financeiro, das transnacionais e da indústria militar cujas políticas econômicas acarretaram nefastas e devastadoras conseqüências para os trabalhadores e os povos de todo o mundo.
O novo presidente estadunidense terá uma muito pequena margem de manobra para modificar os aspectos essenciais da política externa. Objetivamente a crise da hegemonia norte-americana acentua as tendências agressivas desse imperialismo.
A política dos Republicanos é muito conhecida e a eleição de McCain seria um sinal muito claro da continuidade de uma política militarista e belicista.
A esmagadora vitória de Obama é em si mesma algo de positivo na medida em que representa a derrota dessa política belicista e mexe com a subjetividade de todos os que a ela se opuseram.
Pode-se dizer o mesmo relativamente à eleição de um negro pela primeira vez na história dos EUA, algo muito significativo no quadro da sociedade estadunidense.
Por outro lado, Obama prometeu o multilateralismo e o diálogo.Ele vai tentar redesenhar o exercício do poder do mesmo sistema imperialista com métodos distintos dos que foram empregados por Bush. Mas Obama não assumiu um claro compromisso pela Paz. Seu multilateralismo poderá ser meramente retórico".

Socorro Gomes, presidente do Conselho Mundial da Paz.

sexta-feira, 7 de novembro de 2008

Nietzsche - (1844/ 1900)


"Odeio quem me rouba a solidão sem em troca me oferecer verdadeiramente companhia." 
 (Friedrich Nietzsche)

Versos de Ouro de Pitágoras - Homenagem à Professora Rosane Vieira/ Filósofa/ Minha Irmã


01. Honra em primeiro lugar os deuses imortais, como manda a lei.

02. A seguir, reverencia o juramento que fizeste.

03. Depois os heróis ilustres, cheios de bondade e luz.

04. Homenageia, então, os espíritos terrestres e manifesta por eles o devido respeito.

05. Honra em seguida a teus pais, e a todos os membros da tua família.

06. Entre os outros, escolhe como amigo o mais sábio e virtuoso.

07. Aproveita seus discursos suaves, e aprende com os atos dele que são úteis e virtuosos

08. Mas não afasta teu amigo por um pequeno erro.

09. Porque o poder é limitado pela necessidade.

10. Leva bem a sério o seguinte: Deves enfrentar e vencer as paixões.

11. Primeiro a gula, depois a preguiça, a luxúria, e a raiva.

12. Não faz junto com outros, nem sozinho, o que te dá vergonha.
13. E, sobretudo, respeita a ti mesmo.

14. Pratica a justiça com teus atos e com tuas palavras.

15. E estabelece o hábito de nunca agir impensadamente.

16. Mas lembra sempre um fato, o de que a morte virá a todos.

17. E que as coisas boas do mundo são incertas, e assim como podem ser conquistadas, podem ser perdidas.

18. Suporta com paciência e sem murmúrio a tua parte, seja qual for.

19. Dos sofrimentos que o destino determinado pelos deuses lança sobre os seres humanos.

20. Mas esforça-te por aliviar a tua dor no que for possível.

21. E lembra que o destino não manda muitas desgraças aos bons.

22. O que as pessoas pensam e dizem varia muito; agora é algo bom, em seguida é algo mau.

23. Portanto, não aceita cegamente o que ouves, nem o rejeita de modo precipitado.

24. Mas se forem ditas falsidades, retrocede suavemente e arma-te de paciência.
25. Cumpre fielmente, em todas as ocasiões, o que te digo agora.

26. Não deixa que ninguém, com palavras ou atos.

27. Te leve a fazer ou dizer o que não é melhor para ti.

28. Pensa e delibera antes de agir, para que não cometas ações tolas.

29. Porque é próprio de um homem miserável agir e falar impensadamente.

30. Mas faze aquilo que não te trará aflições mais tarde, e que não te causará arrependimento.

31. Não faze nada que sejas incapaz de entender.

32. Porém, aprende o que for necessário saber; deste modo, tua vida será feliz.

33. Não esquece de modo algum a saúde do corpo.

34. Mas dá a ele alimento com moderação, o exercício necessário e também repouso à tua mente.

35. O que quero dizer com a palavra moderação é que os extremos devem ser evitados.

36. Acostuma-te a uma vida decente e pura, sem luxúria.
37. Evita todas as coisas que causarão inveja.

38. E não comete exageros. Vive como alguém que sabe o que é honrado e decente.

39. Não age movido pela cobiça ou avareza. É excelente usar a justa medida em todas estas coisas.

40. Faze apenas as coisas que não podem ferir-te, e decide antes de fazê-las.

41. Ao deitares, nunca deixe que o sono se aproxime dos teus olhos cansados.

42. Enquanto não revisares com a tua consciência mais elevada todas as tuas ações do dia.

43. Pergunta: "Em que errei? Em que agi corretamente? Que dever deixei de cumprir?"

44. Recrimina-te pelos teus erros, alegra-te pelos acertos.

45. Pratica integralmente todas estas recomendações. Medita bem nelas. Tu deves amá-las de todo o coração.

46. São elas que te colocarão no caminho da Virtude Divina.

47. Eu o juro por aquele que transmitiu às nossas almas o Quaternário Sagrado.

48. Aquela fonte da natureza cuja evolução é eterna.
49. Nunca começa uma tarefa antes de pedir a bênção e a ajuda dos Deuses.

50. Quando fizeres de tudo isso um hábito.

51. Conhecerás a natureza dos deuses imortais e dos homens,

52. Verás até que ponto vai a diversidade entre os seres, e aquilo que os contém, e os mantém em unidade

53. Verás então, de acordo com a Justiça, que a substância do Universo é a mesma em todas as coisas.

54. Deste modo não desejarás o que não deves desejar, e nada neste mundo será desconhecido de ti.

55. Perceberás também que os homens lançam sobre si mesmos suas próprias desgraças, voluntariamente e por sua livre escolha.

56. Como são infelizes! Não vêem, nem compreendem que o bem deles está ao seu lado.

57. Poucos sabem como libertar-se dos seus sofrimentos.

58. Este é o peso do destino que cega a humanidade.

59. Os seres humanos andam em círculos, para lá e para cá, com sofrimentos intermináveis,

60. Porque são acompanhados por uma companheira sombria, a desunião fatal entre eles, que os lança para cima e para baixo sem que percebam.
61. Trata, discretamente, de nunca despertar desarmonia, mas foge dela!

62. Oh Deus nosso Pai, livra a todos eles de sofrimentos tão grandes.

63. Mostrando a cada um o Espírito que é seu guia.

64. Porém, tu não deves ter medo, porque os homens pertencem a uma raça divina.

65. E a natureza sagrada tudo revelará e mostrará a eles.

66. Se ela comunicar a ti os teus segredos, colocarás em prática com facilidade todas as coisas que te recomendo.

67. E ao curar a tua alma a libertarás de todos estes males e sofrimentos.

68. Mas evita as comidas pouco recomendáveis para a purificação e a libertação da alma.

69. Avalia bem todas as coisas,

70. Buscando sempre guiar-te pela compreensão divina que tudo deveria orientar.

71. Assim, quando abandonares teu corpo físico e te elevares no éter.

72. Serás imortal e divino, terás a plenitude e não mais morrerás.

Versos de Ouro, tradicionalmente atribuídos a Pitágoras (c. 580 a.C - 500 a.C), constituem um documento de valor inestimável e que, apesar de escritos há cerca de 2.500 anos, mantêm total atualidade.
Não se sabe, ao certo, quem foi o seu autor, mas é Lísis, em parece reunir maior consenso entre os estudiosos. A cópia mais antiga que chegou até nós é de Hierocles de Alexandria, da qual foram feitas diversas traduções para línguas modernas, as quais, no entanto, apresentam algumas diferenças.

segunda-feira, 3 de novembro de 2008

MULHER de NEGRO - Promete-me!

"Que não deixarás as silvas corromper minha última morada
Promete-me que irás beijar meu espírito
Que te ouvirá cantar nas noites
de dor e luar
Promete-me que vais consolar os que amo
Com a esperança que não tens,
Que os irás abraçar
Quando se sentirem nus no frio da noite
E que lhes dirá que em toda a minha vida
tentei ser poeta
Emergir da minha própria invisibilidade
Mas que simplesmente eu
Homem
Falhei...
Promete-me
Mulher... de negro!"
(poeta desconhecido)

sábado, 25 de outubro de 2008

Isabel Allende 2 - Ervas Proibidas


" (...) Quando ainda não existiam métodos de conservação de alimentos, as especiarias eram mais valiosas que o ouro. Ainda hoje, quanto mais quente for o clima de um país, mais especiarias são usadas na cozinha popular, porque a decomposição ocorre mais rapidamente. Em busca de especiarias, partiram rumo ao oriente piratas, aventureiros, comerciantes e conquistadores.... mas nos dias de hoje poucas coisas nos surpreende ou excita, exigimos afrodisíacos cada vez mais refinados: artefatos com bateria e espetáculos ao vivo ou em vídeos, mais próximos da pornografia do que da arte do erotismo. PORNOGRAFIA É MÉTODO SEM IMAGINAÇÃO; EROTISMO É INSPIRAÇÃO SEM MÉTODO; ( erótico é usar uma pena; pornográfico é usar a galinha) ... as plantas são afrodisíacos sutis e, como o amor, agem sem alarde, discretamente e a longo prazo. Como não confiar nelas se quase toda a farmacopéia moderna está baseada nas plantas? E assim como acontece no amor as mais comuns e modestas também são as mais preciosas.
... veja nossas listas de ervas e especiarias domésticas e tente fazer com que não faltem em sua cozinha, junto com o azeite puro de oliva virgem (um dos poucos casos em que a virgindade serve para alguma coisa), o vinagre balsâmico, a melhor mostarda, o mel mais puro e outros ingredientes fundamentais para realçar seus pratos e sua vida amorosa."
EIS AS ERVAS PROIBIDAS:
- AÇAFRÃO (crocus sativa) - Especiaria vermelho-alaranjada, em em pó que pinta todo de amarelo, inclusive o cozinheiro, se ele se descuidar. No Tibete é sagrada. É muito caro e amargo. Indipensável na Paella e mariscos. Estimulante.
- ALCAPARRA (capparis spinosa) - frutos redondos e pequenos, de sabor muito forte, para acompanhamento com peixes.
- Anis (pimpinella anisium) - planta de flores brancas, sementes pequenas e aromáticas. Em muitos dos países do Oriente Médio se usa para incitar o amor dos recém-casados e curar a impotência.
- BAUNILHA (vainilla) - indispensável para doces, bolos, sorvetes, cremes, cafés e chocolate. Evite a sintética, de sabor grosseiro e às vezes tóxica.
- CANELA (cinnamomum) - extraída da árvore da canela, usada não só em doces, mas em carnes; tempero clássico das receitas de natal.
- CARDAMOMO (elettaria cardamomum) - encontrada em sementes ou em pó, perde o aroma rapidamente. Nos países árabes, é colocado no café para enriquecer o sabor e estimular a benevolência entre os amigos. As sementes são mastigadas para purificar o hálito, no erotismo é muito importante o bom hálito.
- COMINHO (cuminum cyminum) - sementes minúsculas que dão sabor característico ao alimento em geral, lentilha e feijão. A essência do óleo é utilizada para loções balsâmicas e filtros do amor.
- CRAVO (caryophyllus cyminum) - é tão aromático e picante que deve ser usado com precaução e retirado da comida antes de servi-la, o pó é mais suave.
- CURRY - não é uma especiaria, mas uma mistura de coentro, cardamomo, pimenta caiena, gengibre, canela, mostarda, açafrão-da-índia.
- ERVA-CIDREIRA (melissa oficinallis) - tem sabor de limão e serve para maionese, receitas com queijo fresco, creme, molhos e saladas. No Chile bebida como chá para emagrecer.
- GENGIBRE (zengiber officinalis) - a raíz seca é mais saborosa, mas pode ser adquirida em pó. De sabor picante, realça doces, sobremesas e comidas exóticas. Os cozinheiros de Madame du Berry preparavam uma mistura de gema de ovo e gengibre que induzia os amantes e o próprio Luís XV à luxúria desenfreada.
- HORTELÃ (mentha veridis) - de sabor fresco, popular em doces e bebidas. Para os britânicos companheiro inseparável do cordeiro. Shakespeare refere que junto ao alecrim e lavanda, é estimulante para cavalheiros da meia idade. Cresce como mato é fácil cultivá-lo em seu jardim.
- LAVANDA (lavandula vera) - as sementes aromatizam perfumes e sabonetes, antibamente se usava como afrodisíacos. Amargas e picantes podem arruinar sua comida. Se não quiser correr riscos, coloque-as em sachês embaixo do travesseiro.
- LOURO ( laurus nobilis) - símbolo da virilidade. Usar com cuidado tem sabor amargo.
- MANJERICÃO (ocinum bacilicum) - suas folhas aromáticas são indispensáveis em todas a cozinha que se preze. Em culto no Haiti é associado à fecundidade e à paixão.
- NOZ-MOSCADA (myristica fragans) - aromatiza doces e sobremesas, mas realça sabor de alguns vegetais, como espinafres.
- ORÉGANO (origanum vulgare) - não deve faltar em sua cozinha. De sabor e aromas fortes, no banho tem efeitos eróticos."
OBS. Recomendo o livro: "Afrodite contos, receitas e outros afrodisíacos" e os filmes: "O tempero da Vida" de Tassos Boulmetis e "Chocolate" com Johnny Deep/Lena Olin
(Fatima Vieira - Psicóloga Clínica)

terça-feira, 21 de outubro de 2008

"NE ME QUITTE PAS" - Edith Piaf

"(...)
Eu vou te oferecer Pérolas de chuva 
Que vêm dos países
Onde não chove
Revolver a terra muito além da morte
Para cobrir teu corpo
De ouro e luzes
Eu farei uma terra
Onde o amor será rei
Onde o amor será lei
Onde tu serás rainha ...
Dizem que é comum
Renascer o fogo
De um velho vulcão
Que não arde mais
Também já se viu
Em terras destruidas renascer mais trigo
Que no melhor abril
E pra se inflamar
Uma tarde no ar, o vermelho e o negro
Não se casam jamais
Não me deixes mais, não me deixes."




















" ...
Moi je t'offrirai
Des perles et des pluie
Venues de pays
Où il ne pleut pas
Je creuserai la terre
Jusqu'après ma mort
Pour couvrir ton corps
D'or et de lumière
Je ferai un domaine
Où l'amour sera roi
Où l'amour sera loi
Où tu seras reine
(...) On a vu souvent
Rejaillir le feu
De l'ancien volcan
Qu'on croyait trop vieux
Il est paraît-il
Des terres brûlées
Donnant plus de blé
Qu'un meilleur avril
Et quand vient le soir
Pour qu'un ciel flamboie
Le rouge et le noir 
Ne s'épousent-ils pas."

segunda-feira, 20 de outubro de 2008

Isabel Allende - Afrodite, contos, receitas e outros...







"Os cinquenta anos são como a última hora da tarde, quando o sol já se pôs e tendemos naturalmenteà reflexão. No meu caso, porém, o crepúsculo me induz a pecar e, talvez por isso, no meu cinquentenário reflito sobre minha relação com a comida e o erotismo, as fraquezas da carne que mais me tentam, embora, elas não tenham sido as que mais pratiquei."

(...) arrependo-me das dietas, dos pratos deliciosos rejeitados por vaidade, tanto como lamento as oportunidades de amar para me dedicar as tarefas pendentes.

(...) o cheiro penetrante do iodo não me traz imagens de cortes ou cirurgias, mas de ouriços-do-mar, essas estranhas criaturas marítimas inevitavelmente relacionadas à minha iniciação nos mistérios dos sentidos.

(...) quando vou ao Chile, procuro ir ao litoral para experimentar de novo ouriços-do-mar e toda vez me sinto tomada de horror e fascínio.(...) não consigo separar o erotismo da comida e não vejo razão para fazê-lo (ao contrário, pretendo continuar desfrutando de ambos enquanto tiver força e bom humor).

(...) Robert Shekter, ilustrador do meu livro, foi piloto na segunda guerra mundial, seus piores pesadelos não são com os bombardeios, mas com um pato distraído que acabou derrubando com sua espingarda de caça. Ao se aproximar viu que ainda se debatia, teve que lhe torcer o pescoço para acabar com sua agonia. Virou vegetariano. Mas ao cair o pato amassou uma alface, também não come esse vegetal. É muito difícil preparar um jantar erótico para um homem com essas limitações. Robert jamais contribuiria para o meu livro se o projeto inclísse aves torturadas... bem como barbatanas de tubarão, testículos de mandril e outos ingredientes que não aparecem aqui por que não foi fácil encontrar nos supermercados das redondezas.

(...) aqui nos referimos sómente à arte sensual da comida e seus efeitos sobre a realização amorosa. Brócolis está descartado. Falamos de ostras, mel, amêndoas moídas e outras especiarias proibidas...

(...) a gula é um dos caminhos diretos para a luxúria, e se avançarmos mais um pouco, para a perdição da alma. Por isso luteranos, calvinistas e outros aspirantes à perfeição cristã comem tão mal. Os católicos, em compensação, que nascem resignados ao pecado original e às fraquezas humanas, e que são purificados pelo sacramento da confissão, prontos para tornar a pecar, são mais flexíveis com relação á boa mesa... Ainda bem que nasci entre os segundos e posso devorar todas as guloseimas que desejar sem pensar no inferno, só nos meus quadris... "

(Fatima Vieira - Psicóloga Clínica)